Empreendedor social Valdeci Ferreira, da Fbac, é premiado por franquia de prisão humanizada

Voluntário há mais de 30 anos, Valdeci Ferreira, 55, venceu a 13ª edição do Prêmio Empreendedor Social, na noite desta segunda-feira (6), em cerimônia no Teatro Porto Seguro, em São Paulo.

Ele lidera a Fbac, federação que congrega as Apacs (Associações de Proteção e Assistência aos Condenados). Sua missão é disseminar metodologia inovadora de ressocialização de prisioneiros, que se propõe a recuperar o preso, proteger a sociedade, socorrer as vítimas e promover a justiça restaurativa.

Ao receber o troféu, o empreendedor disse que jamais imaginaria há 34 anos, quando visitou pela primeira vez uma cadeia, em Itaúna (MG), ter a honra de receber o prêmio principal da noite.

“A vida não colocou tapetes para eu pisar, ela colocou degraus e hoje é mais um degrau que estamos subindo”, disse, emocionado. “Preciso dividir esse momento com todos os recuperandos que passaram pela Apac e os que continuam lá e são a razão de ser da nossa obra e da renúncia que fiz na minha vida.”

Um deles subiu ao palco, mesmo na cadeira de rodas. “Aqui, na frente de vocês, está alguém que passou pela Apac. Sou um ex-recuperando e eu acreditei nesse homem”, disse Rinaldo Guimarães.

“Valdeci sempre fala uma frase de Santo Agostinho. A esperança tem duas filhas: a indignação e a coragem. A indignação para não aceitar as coisas como elas estão e a coragem para, como esse homem aqui, mudar e fazer a diferença”, completou.

Como reconhecimento de seu trabalho, Ferreira foi escolhido como Empreendedor Social do Ano entre 160 inscritos no maior concurso da área na América Latina, realizado pela Folha de São Paulo, em parceria com a Fundação Schwab.

Estima-se que já passaram pelas Apacs, unidades prisionais humanizadas, sem armas nem guardas armados, mais de 33 mil condenados pela justiça brasileira. O sistema alternativo hoje abriga 3.500 presos espalhados em 48 unidades pelo Brasil. O método também está sendo aplicado em 19 países.

A entidade desenvolveu, em 1972, uma metodologia de 12 elementos, como trabalho, valorização humana, assistência jurídica, família, mérito e o princípio de recuperando ajudando recuperando.

Método este que resulta em 20% a 28% de reincidência –contra 85% no sistema prisional comum– ao custo de um terço do preço.

Ferreira disputou a categoria principal com Bernardo Bonjean, 40, líder da Avante, fintech que oferece crédito e serviços humanizados para microempreendedores não atendidos pelos bancos, e Ronaldo Lemos, 41, do ITS (Instituto de Tencologia e Sociedade), que desenvolveu o aplicativo ‘Mudamos’, ferramenta de democracia direta para coleta de assinaturas digitais para projetos de lei de autoria popular.

Facebook Comments