Seja Digital promove evento O Planeta Somos Nós

Em parceria com a ONG Programando o Futuro a entidade que conscientizar a população sobre o descarte responsável

Durante os próximos dias 22, 23 e 24 de outubro a Praça da Estação e o Museu de Artes e Ofícios de Belo Horizonte sediarão o evento “O Planeta Somos Nós”, promovido pela Seja Digital em parceria com a Programando o Futuro, ONG especializada em metarreciclagem de lixo eletrônico. O evento, que conta com o apoio da Prefeitura de Belo Horizonte, visa chamar a atenção da população para o descarte correto do lixo eletrônico, através da instalação “Jardim do Destino Circular”, de oito oficinas e do seminário “O Planeta Somos Nós: uma análise do impacto do desligamento do sinal analógico de TV nos espaços urbanos”. Isso porque, com a digitalização do sinal analógico de TV, a população tende a intensificar o descarte de aparelhos de TV de tubo, que possuem metais pesados em sua composição e podem contaminar fortemente o solo, caso sejam descartados em lugares indevidos.

 

A instalação “Jardim do Destino Circular” será dividida em duas partes “Infinito” e “Resíduos”, montadas em espaços da Praça da Estação e do Museu de Artes e Ofícios. Deseja refletir sobre a importância do descarte correto do “lixo” eletrônico e fazer uma abordagem sobre o reaproveitamento e destino dos resíduos eletrônicos provenientes dos aparelhos de TV, com base no conceito da Economia Circular. Os aparelhos de TV e resíduos expostos são provenientes da campanha de coleta realizada em cem Pontos de Entrega Voluntária (PEVs), implantados pela ONG Programando o Futuro, com o apoio da Seja Digital, nas 39 cidades onde haverá o desligamento do sinal analógico de TV, no dia 08 de novembro deste ano.

 

Para marcar a abertura da exposição, acontecerá uma intervenção artística com o grupo de percussão Arautos do Gueto, no domingo, dia 22, às 17h, na Praça da Estação. O grupo produzirá música com lixo eletrônico. Já durante o segundo e o terceiro dia do evento, serão oferecidas oficinas para alunos de escolas públicas e visitantes que passarem pelo local, ministradas por profissionais da Programando do Futuro e da Seja Digital. As oficinas abordarão diversas temáticas ligadas ao meio ambiente, como gestão do lixo eletrônico, construção de objetos (como próteses humanas) com impressora 3D, a partir do lixo eletrônico, reaproveitamento de lixo eletrônico, holografia e construção de objetos óticos, TV poste e antenas.

 

A Caravana da Seja Digital também estará presente nos três dias do evento para orientar os visitantes sobre a migração para o sinal digital de TV e sobre o agendamento do kit gratuito da Seja Digital. Além disso, irá coletar aparelhos antigos de televisão. Em troca, os doadores receberão brindes da Seja Digital.

 

Sobre a instalação “Jardim do Destino Circular”

Com o fim da transmissão do sinal analógico de televisão, muitos aparelhos analógicos de TV estão sendo substituídos por aparelhos digitais. Assim, é necessário entender a importância de reutilizar os materiais preciosos que estão dentro desses equipamentos. JARDIM DO DESTINO CIRCULAR é uma narrativa que deseja refletir sobre a importância do descarte correto do “lixo” eletrônico. O que sabemos é que o destino dos resíduos eletrônicos pode estar em um círculo de transformação e renascimento perpétuo: um ciclo de vida que todo ser humano é chamado a manter vivo, para ajudar a preservar o planeta saudável e habitável para o futuro. Aqui, o ato de descartar não é apenas se desfazer de um objeto, mas destiná-lo a novas metamorfoses. Composto por duas partes, “Infinito” e “Resíduos”, o “Jardim” pode ser visitado em dois espaços.

 

No espaço denominado “Infinito”, há um cordão umbilical que forma o símbolo do infinito, ao ligar –  e “nutrir” – velhos televisores descartados. Assim como ocorre no interior do útero materno, onde o ciclo da vida acontece. No centro do símbolo é possível ouvir o som produzido por algumas máquinas de reciclagem em operação, com o intuito de proporcionar aos visitantes da instalação uma experiência sensorial e física desse processo acontecendo, e, ao mesmo tempo, direcioná-los para uma estrada quase que desconhecida. Algumas das telas expostas projetam imagens que mostram a vitalidade da vegetação. De dentro desses tubos de TV, nascem mudas, as quais o público é convidado a levá-las consigo, e a combater a linearidade que pode nos levar a um destino caótico.

 

“Resíduos”, por sua vez, constitui-se de diferentes partes de antigos televisores de tubo e de novos materiais originados no processo de reciclagem de TVs. Esses materiais e componentes apresentados recebem os mesmos cuidados que os objetos e artefatos artísticos: passam a ter os mesmos valores simbólicos e estéticos. “Resíduos” propõe o deslocamento de sentido e de função dos objetos expostos, que agora podem ser explorados de outras formas, dentro do processo dinâmico do “Jardim do Destino Circular”. Tem-se, assim, novas matérias-primas, que agora podem atender a diferentes demandas da vida cotidiana; o passado de um objeto/resíduo e a prospecção de um futuro diferente para o qual estava projetado. Dessa forma, somos convidados a olhar para o presente – a única fase do tempo em que as mudanças são possíveis.

 

Sobre a Seja Digital

A Seja Digital (EAD – Entidade Administradora da Digitalização de Canais TV e RTV) é uma instituição não governamental e sem fins lucrativos, responsável por operacionalizar a migração do sinal analógico para o sinal digital da televisão no Brasil. Criada por determinação da Anatel, tem como missão garantir que a população tenha acesso à TV Digital, oferecendo suporte didático, desenvolvendo campanhas de comunicação e mobilização social e distribuindo kits para TV digital para as famílias cadastradas em programas sociais do Governo Federal. Também tem como objetivos aferir a adoção do sinal de TV digital, remanejar os canais nas frequências e garantir a convivência sem interferência dos sinais da TV e 4G após o desligamento do sinal analógico. Esse processo teve início em abril de 2015 e, de acordo com cronograma definido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, mais de 1300 municípios terão o sinal analógico desligado até 2018.

 

Sobre a Programando o Futuro

A Programando o Futuro é uma Organização Não Governamental que atua com o objetivo de fortalecer as iniciativas da sociedade civil por meio do incentivo ao uso apropriado das tecnologias da informação e comunicação. Os projetos desenvolvidos pela Programando o Futuro estão focados em quatro eixos: inclusão digital para o desenvolvimento local, qualificação para o mundo do trabalho, fortalecimento das redes e tecnologias de apoio à sociedade civil e reaplicação e estímulo a utilização de tecnologias sociais e conhecimentos livres. Entre os seus projetos está a Estação de Metarreciclagem, focada na capacitação técnica em informática de jovens e adultos, o reuso de computadores e equipamentos de informática e a reciclagem e correta destinação do lixo eletrônico.

FONTE: Press Comunicação

Facebook Comments