Parada LGBT reúne cerca de 80 mil na Capital Mineira

Com muitas cores e brilhos, a Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte, realizada na tarde de domingo (16) no centro da capital, chegou a sua 20ª edição com motivos para comemorar. Além de quebrar recorde de participantes – os organizadores estimaram cerca de 80 mil pessoas ao longo do dia, contra 30 mil no ano passado – esta foi a primeira vez que a celebração entrou para o calendário oficial de eventos da cidade. O prefeito da capital, Alexandre Kalil (PHS), participou do desfile e, afirmou que BH terá, nos próximos quatro anos, a maior Parada Gay do Brasil. Ele também prometeu voltar anualmente ao ato. O tema de 2017 foi “Família e direitos: nossa existência é singular, nossa resistência é plural”.

Atualmente, a maior Parada LGBT do mundo é realizada em São Paulo. “O prefeito tem a obrigação de proteger uma população que vem sendo machucada, discriminada por ignorância”, afirmou Kalil.

A fala imediatamente repercutiu entre os participantes, que acreditam que o reconhecimento dado à parada, que é festiva mas também política, traz mais força ao movimento e ao combate à discriminação. “Para nós LGBTs, que passamos diariamente e vivenciamos o preconceito, que vivenciamos a homofobia, é muito importante ter um prefeito apoiando a nossa causa”, avaliou a drag queen Surya Namaskar, 22.

As drag queens, aliás, faziam sucesso por onde passavam, com figurinos muitas vezes elaborados. Foi o caso de Stefany, que precisou acordar às 7h para começar a se maquiar. Na praça da Estação, onde os militantes se concentraram, ela chegou às 12h e, ao fim da tarde, já havia perdido a conta de quantas vezes havia sido parada para ser fotografada. “Receber esse carinho é muito importante. É o que faz todo esse esforço valer a pena”, disse. O evento começou às 11h e percorreu a avenida Amazonas até a praça Raul Soares, onde foi encerrado por 19h.

Pais e filhos vão às ruas para apoiar causa e se divertirem

Com o lema “Família e Direitos”, a 20ª Parada LGBT de Belo Horizonte, realizada na tarde de ontem, reuniu muitos simpatizantes da causa. É o caso de Paulo Barcala, 59, e da sua mulher Ana Paola, 46. Embora se entendam defensores da diversidade sexual e de gênero, o casal participou pela primeira vez do evento por uma demanda de seu filho, Francisco, de 13 anos.

“Está tudo lindo, coloridíssimo”, disse o adolescente. Barcala, por sua vez, elogiou a escolha do tema. “Os casais heteros contemporâneos tendem a descartar a ideia de casamento, de ter filhos. A demanda da parada vai justamente na contramão desse pensamento”, destacou.

Muitas famílias participaram do desfile. Adriana Franco, 37, levou a filha Andressa, 15, que estava acompanhada da amiga Izabely, 16. O caçula da casa, Saulo, 11, também acompanhou a passeata. Para a mãe, a participação na parada é um exercício de cidadania e, principalmente, uma oportunidade de diversão.

Fonte e fotos: Jornal O Tempo

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Facebook Comments