Roda de caminhão se solta, derruba postes e fecha a Via Expressa

Segundo informação de um morador, que teve o portão de casa destruído pelo pneu, um dos postes já estava danificado e a Cemig remendou com um pedaço de madeira, que caiu com o impacto da roda

Uma roda de caminhão que se soltou na Via Expressa de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, causou a queda de quatro postes de iluminação e fechou completamente a via no sentido Betim, na manhã desta quinta-feira (8). Os motoristas enfrentam um congestionamento de pelo menos oito quilômetros no local.

De acordo com a empresa de Trânsito de Contagem (Transcon), a pista está interditada desde por volta das 10h30. Funcionários atuavam orientando os motoristas durante uma operação de recapeamento da pista quando perceberam que o trânsito parou completamente e resolveram verificar o que acontecia. Chegando na altura do bairro Sapucaias II, que fica quase na divisa com Betim, eles encontraram os quatro postes caídos sem motivo aparente.

Segundo um morador de 49 anos, que teve o portão de sua casa derrubado pela roda do caminhão, o acidente só aconteceu por causa de um poste que já estava remendado pela Cemig. “Colocaram um pedaço de pau muito fraco para segurar o poste. Já estava assim há uns três meses, aí a roda atingiu ele, que acabou puxando os outros três postes. Estava saindo de casa, quando fui ligar a moto escutei a pancada e viu meu portão caído. Se já tivesse saído de casa, poderia ter morrido”, contou.

 

Ainda conforme o homem, esta não é a primeira vez que uma roda se solta de um veículo no bairro. “Ainda neste ano uma outra roda se soltou, derrubou a parede da vizinha e foi parar na cozinha dela. O pessoal está até querendo fazer uma manifestação para colocar uma proteção aqui. Estamos todos inseguros”, complementou o morador.

A Transcon informou ainda que o congestionamento já ultrapassou o cruzamento da Via Expressa com a avenida João César de Oliveira, que fica a cerca 8 km do acidente. A Cemig foi acionada.

A Cemig foi procurada e informou que o acidente envolveu apenas postes de iluminação, portanto, nenhum cliente da região ficou sem energia. A rede foi desligada e, dentro de instantes, a troca dos postes será iniciada pelos funcionários. A companhia ainda não se posicionou sobre o poste remendado há meses que pode ter provocado a queda dos demais postes.

Veja a nota da Cemig sobre o caso:

A Cemig informa que, no fim da manhã desta quinta-feira (8/6), na Via Expressa de Contagem, uma roda de caminhão se soltou do veículo e colidiu com um poste, que estava apoiado provisoriamente por madeira.  Devido ao forte impacto, a estrutura foi derrubada, provocando ainda a queda de outros três postes. A estrutura estava apoiada provisoriamente com madeira em decorrência de uma colisão de um veículo ocorrida há pouco tempo. Vale destacar, ainda,  que o local tem um alto índice de acidentes. Nesta ocorrência, as equipes da Cemig fizeram manutenção paliativa para liberar o trânsito na região e agendou a troca definitiva dos postes para esta sexta-feira (9/6). Como a rede da Companhia era utilizada para alimentar a iluminação pública da região, nenhum cliente ficou sem energia elétrica.

A Cemig esclarece que os postes apoiados por madeiras, de maneira provisória, são completamente seguros e possuem resistência compatíveis às estruturas convencionais. A Empresa informa ainda que os postes apoiados por madeiras já foram danificados por colisões com veículos anteriormente e, dessa forma, é  uma solução paliativa para que o fornecimento de energia seja restabelecido mais rapidamente.

Vale ressaltar que, somente no ano passado, a Cemig registrou 4.856 colisões de veículos com postes do sistema elétrico em sua área de concessão, número 3% inferior ao registrado em 2015. Esses acidentes de trânsito provocaram interrupção no fornecimento de energia para cerca de 1,6 milhão de clientes.

Somente no Centro do Estado, aproximadamente três postes são danificados diariamente em acidentes de trânsito. Somando-se os custos do poste, cabos e outros materiais, cada serviço custa, em média, R$ 3.300. Isso significa que a Cemig gasta cerca de R$ 3,5 milhões por ano com as manutenções.

Fotos: O TEMPO

  

 

 

 

 

 

 

FONTE: O TEMPO 

 

Facebook Comments